segunda-feira, abril 30, 2012

O Som ao Redor vence também festival na Dinamarca

 Kleber Mendonça Filho com o júri que lhe deu o Grand Prix de Copenhague

 "O Som ao Redor", longa metragem de Kleber Mendonça Filho, rodado aqui em Boa Viagem, venceu os festivais de cinema na Dinamarca e na Holanda. O filme já foi convidado para mais de 20 mostras de cinema internacionais e será exibido em Lisboa ainda esta semana.

O filme entra em cartaz primeiro no Estados Unidos entre junho e agosto e depois aqui no Brasil, talvez no segundo semestre. O Som ao Redor recebeu elogios de publicações internacionais como Cahiers do Cinema e Variet.

Parabéns ao Kleber. HC


Me engana que eu gosto





  
Leda Nagle


Qual é a embalagem do açúcar que você compra? Saco plástico. Onde vem o sal que você compra? Em saco plástico. E a farinha de trigo, de mandioca, o fubá, o feijão, o arroz nosso de cada dia? Todos embalados em sacos plásticos. Onde é que você coloca as frutas e os legumes que você compra no supermercado? Em sacos plásticos. Onde vem os remédios que você compra nas farmácias? Em sacolas plásticas. E, por acaso, esta profusão de sacos plásticos que fazem parte do seu dia a dia não poluem o ambiente? Não destroem o planeta? O único saco plástico que polui é a sacola plástica que você recebe dos supermercados?

Aquelas mesmo que você recicla colocando seu lixo de casa. Aquelas que, se for civilizado, você usa para apanhar e descartar as cacas do seu cachorro. Aquelas mesmo que as grandes redes de supermercado querem parar de fornecer a você na hora das compras. E o que eles dizem? Que elas são as responsáveis pela poluição do nosso planeta. Por que só elas? Só o plástico com que elas são feitas poluem rios, destroem as matas, tornam nosso mundo menos habitável? Mas porque só elas? Quem disse? As grandes redes de supermercado. E quem ganha com isto? O planeta? Me engana que eu gosto. Além dos fabricantes de rolos de sacos de lixo, que também são feitos de plástico, quem mais ganha com a proibição das sacolas de plástico são as grandes redes de supermercado que, a partir de agora, em cidades como São Paulo e Belo Horizonte, por exemplo, não terão mais despesa alguma com o consumidor. Depois que ele pagar — e muito bem — os produtos que comprar o problema de levar os produtos para casa passa a ser só do consumidor.

Como você vai levar seus produtos para sua casa? Problema seu. Até porque não são eles que vão entrar nos ônibus cheios, nos trens lotados, no metrô entupido, nas barcas sobrecarregadas, levando uma caixa de papelão. Uma mala sem alça. E ainda querem convencer você, pessoa de boa fé, que está ajudando na reconstrução do planeta. Não é meigo? Não. Acho cínico. E a parte deles? Bom, eles vendem a você sacolas retornáveis. E sabe o que acontece dentro delas? Se você não limpá-las, adequadamente, lavando com água e sabão, bactérias e fungos crescem dentro delas. Sabia também que o correto seria usar uma sacola para carnes, outra para vegetais e outra para produtos de limpeza? Sabia que elas não podem ser feitas de produto muito resistente, com muitas tramas? Porque as bactérias se entranham nos tecidos mais fortes com mais facilidade. E então? Mais tranquilos? Vai dar trabalho, ficará mais caro e você ainda acha mesmo que vai ajudar a salvar o planeta?

O Dia on Line

E-mail: comcerteza@odianet.com.br

Charge do Dia


Sem Comentários!

Piadinha da Segunda-Feira


Em Nova Iorque um muçulmano entra em um táxi. Uma vez lá dentro, pediu ao motorista para desligar o rádio, pois ele não deveria ouvir música, como decretado pela sharia islâmica.

- "No tempo do profeta Maomé, não havia música. Música é coisa de infiéis".

O motorista, educadamente, desligou o rádio, parou o carro e abriu a porta de trás. O muçulmano pergunta:

- O que você está fazendo?

O taxista respondeu:

- "No tempo do profeta Maomé não havia táxis. Então, por favor, saia e espere por um camelo".


NR - Será que é piada mesmo? Melhor conferir!



domingo, abril 29, 2012

Aviso Aos Navegantes


TORRES

Hugo Caldas

Hoje me deu vontade de falar sobre torres.
O termo Torre, do latim turris, designa uma estrutura alta, de arquitetura ou engenharia, em que a altura é bastante superior à largura apresentando uma determinada verticalidade. Pode ser edificada para diversos fins, como defesa, comemoração, etc. De um modo geral pode ser edificada como estrutura independente ou como parte integrante de uma construção e a sua planta pode variar desde circular, quadrangular ou poligonal.

Temos no Recife, o bairro da Torre. Em João Pessoa, também. Porém, em verdade vos digo: não há nenhuma torre no bairro da Torre. Em João Pessoa existia apenas a torre de um enorme catavento reinando absoluto na casa do meu Tio Luís, que já naquela época utilizava a energia eólica, para enfrentar os famigerados apagões, da terra de Rui Carneiro, "de noite falta luz e água o dia inteiro". O bairro todo às escuras e a casa dele na maior claridade. Era a glória!

No Recife a denominação procede da antiga capela de um engenho instalado nas redondezas em priscas eras. A torre mais famosa da cidade é a Torre de Malakoff. O nome provém de uma torre defensiva perto de Sebastopol, na Ucrânia, e a sua tomada permitiu a entrada na cidade dos exércitos de Napoleão III durante a Guerra da Crimeia em 1855.

Há ainda, em Recife, as Torres Gêmeas, sim senhor! Bem alí no final da faixa que vem desde o Cabanga Iate Clube até perto do porto. Em sendo área de marinha o IBAMA não queria permitir a construção mas um certo alcaide sapecou a autorização, passando por cima de tudo e de todos e ganhou evidentemente, uns dois apartamentos. É o que dizem.


Tour Montparnasse

Tour Eiffel
Este fim de semana "Le Figaro" publicou o resultado de uma enquete que descobriu qual o prédio que os parisienses gostariam que desaparecesse para sempre da paisagem da cidade. Mais de 15 mil pessoas foram consultadas através da internet, e a grande perdedora foi a Tour Montparnasse, com cerca de 35,4% dos votos. À este funesto resultado seguiram-se comentários extravagantes tais como, "verruga de Paris" "candelabro infausto", "torre do mal", e por aí vão mais de uma dezena de epítetos nada recomendáveis à Cidade Luz. Por mim àquela horrenda Pirâmide de Vidro em frente ao Louvre também entraria no pau!

Construído em 1973, o prédio de vidro preto da Tour Montparnasse é o mais alto de Paris, com 210 metros. Como parece não haver um só cristão que se prontifique a defendê-lo o prefeito Bertrand Delanoë já se decidiu em favor de sua demolição. O único impedimento talvez seja o alto custo da árdua tarefa. O prédio que abriga inúmeros escritórios vive principalmente da vista panorâmica que oferece da cidade, mas quem quer admirar Paris do alto dificilmente abre mão da famosa Torre Eiffel.

Cena recorrente em Paris: uma foto tendo ao fundo a Torre Eiffel, que recém completou cento e vinte anos.

É claro que a Torre Eiffel é o cartão postal predileto da cidade. Como a torre é muito alta, 324 metros de altura, ficar distante dela é o único remédio para enquadrá-la no visor, já que pode ser vista de qualquer ângulo da cidade. Projetada pelo engenheiro Gustave Eiffel, foi erigida para servir de arco de entrada da Exposição Universal de 1889.

Francês tem cada uma!

Guy de Maupassant, escritor e poeta, não dava a mínima para a Torre Eiffel. De fato ele a detestava como construção que considerava uma estupenda inutilidade. Maupassant costumava, apesar da rejeição, almoçar em um dos restaurantes da Torre não por causa das suas preferências gastronômicas, mas porque lá, considerava, era o único lugar de Paris onde ele não conseguia avistar a Torre, objeto do seu desafeto.

Não é de hoje que os parisienses consideram que a cidade representa tudo para todos. Seus Museus, Teatros, O Sena, com os seus 776 quilômetros, suas Pontes, Restaurantes famosos, que fazem a alegria de qualquer gourmet. Aliás, não apenas os franceses se preocupam com a bela cidade.

Lembram do maluco Adolf Hitler que durante a Segunda Guerra Mundial, ao ensejo da perda da cidade para os aliados que se aproximavam em marcha acelerada, ordenou ao comandante da guarnição alemã que reduzisse tudo a cinzas? Felizmente o general von Choltitz, governador militar de Paris, desobedeceu as ordens do doido e em vez de destruir a cidade, achou melhor entrar para a história. As ordens diziam: "A cidade não deve cair em mãos inimigas a não ser completamente em ruínas." Dizem até que um alucinado Führer telefonava de vez em quando com a pergunta malsinada, "Brennt Paris?" ou seja, "Paris está em chamas?" O general tedesco não incendiou Paris e se entregou aos franceses que ele não era besta nem nada!

Von Choltitz morreu em sua cama em 1966. E Hollywood produziu um filme memorável sobre o episódio.

Video Clipe do Dia



A paraibana sabe das coisas!


sábado, abril 28, 2012

Cuidado, Eles Votam


Um sujeito comprou uma geladeira nova e pra se livrar da velha, colocou-a em frente à casa com o aviso: "De graça. Se quiser, pode levar".A geladeira ficou três dias, sem receber um olhar dos passantes. Ele chegou à conclusão que as pessoas não acreditavam na oferta. Parecia bom demais pra ser verdade, e ele mudou o aviso: "Geladeira à venda por R$ 50,00".No dia seguinte, ela tinha sido roubada!

Cuidado! Esse tipo de gente vota

Procurando casa para alugar, meu irmão perguntou à corretora de imóveis de que lado era o Norte, porque não queria que o sol o acordasse todas as manhãs. A corretora perguntou:

- "O sol nasce no norte?"

Quando meu irmão explicou que o sol nasce no Leste (aliás, há um bom tempo que isso acontece), ela disse:

- "Eu não me mantenho atualizada a respeito desse tipo de coisa".

Essa cavalgadura também vota

Antigamente, quando eu trabalhava em suporte técnico num centro de atendimento a clientes em Manaus, recebi um telefonema de um sujeito que perguntou em que horário o centro de atendimento estava aberto. Eu disse a ele:

- "O número que o senhor discou está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana." Ele perguntou:

- "Pelo horário de Brasília ou de Manaus ?" Pra acabar logo com o assunto, respondi:

- "Horário de Manaus".

O ignorante acima vota

Meu colega e eu estávamos almoçando no restaurante self-service da empresa, quando ouvimos uma das assistentes administrativas falando a respeito das queimaduras de sol que ela havia tido, ao ir de carro ao litoral. Estava num conversível, por isso "não pensou que ficaria queimada, pois o carro estava em movimento".

Esta besta quadrada também vota

Minha cunhada tem uma ferramenta salva-vidas no carro, projetada para cortar o cinto de segurança, se ela ficar presa nele. Ela guarda a ferramenta no porta-malas.

A energúmena da minha cunhada, vota

Meus amigos e eu fomos comprar cerveja para uma festa, e notamos que os engradados tinham desconto de 10%. Como era uma festa grande, compramos 2 engradados. O caixa multiplicou 10% por 2 e nos deu um desconto de 20%.

Esse indigitado também vota

Obs: Quem aceitou o desconto de 20%, vota

Essa é a melhor

Saí com uma amiga e vimos uma mulher com um aro no nariz, atrelado a um brinco, por meio de uma corrente. Minha amiga disse: "Será que a corrente não dá um puxão a cada vez que ela vira a cabeça?" Expliquei que o nariz e a orelha de uma pessoa permanecem à mesma distância, independente da pessoa virar a cabeça ou não.

Minha estúpida amiga também vota

Eu não conseguia achar minhas malas na área de bagagens do aeroporto.
Fui então até o setor de bagagem extraviada e disse à mulher que minhas malas não tinham aparecido. Ela sorriu e me disse para não me preocupar, porque ela era uma profissional treinada e eu estava em boas mãos.

- "Apenas me informe: o seu avião já chegou?"

A boçal também vota

Esperando ser atendido numa pizzaria, observei um homem pedindo uma pizza para viagem. Ele estava sozinho e o pizzaiolo perguntou se ele preferia que a pizza fosse cortada em 4 pedaços ou em 6. Ele pensou algum tempo, antes de responder: "Corte em 4 pedaços... Acho que não estou com fome suficiente para comer 6 pedaços".

Adivinha?! Isso mesmo, o cretino também vota

Pronto!Agora você já sabe QUEM elege esses politicos canalhas!



Dizendo a verdade, nada mais do que a verdade

Repassando

O Ministério Público Federal de São Paulo ajuizou ação pedindo a retirada dos símbolos religiosos das repartições públicas. Pois bem, vejam o que disse o Frade Demétrius dos Santos Silva.

Sou Padre católico e concordo plenamente com o Ministério Público de São Paulo, por querer retirar os símbolos religiosos das repartições públicas. Nosso Estado é laico e não deve favorecer esta ou aquela religião. A Cruz deve ser retirada!

Aliás, nunca gostei de ver a Cruz em Tribunais, onde os pobres têm menos direitos que os ricos e onde sentenças são barganhadas, vendidas e compradas.

Não quero mais ver a Cruz nas Câmaras legislativas, onde a corrupção é a moeda mais forte.

Não quero ver, também, a Cruz em delegacias, cadeias e quarteis, onde os pequenos são constrangidos e torturados. Não quero ver, muito menos, a Cruz em prontos-socorros e hospitais, onde pessoas pobres morrem sem atendimento.

É preciso retirar a Cruz das repartições públicas, porque Cristo não abençoa a sórdida política brasileira, causa das desgraças, das misérias e sofrimentos dos pequenos, dos pobres e dos menos favorecidos.

Video Clipe do Dia

video

Respectivas mamães vão bem obrigado?

sexta-feira, abril 27, 2012

Mais dois que desistiram do "Paraíso"

Vencedores do Tribeca desaparecem a caminho de Nova York

 Javier Nunez Florián e Analin de la Rua de la Torre

Dois atores cubanos que protagonizam um filme que levou três prêmios no Festival de Cinema de Tribeca desapareceram após terem partido de Cuba com destino a Nova York.

O longa metragem "Una Noche" conta a história de três adolescentes cubanos que desertam para os Estados Unidos.

Entre os prêmios recebidos pelo longa-metragem esteve o de Melhor Ator, entregue a Javier Nunez Florián, que desapareceu junto com a atriz Analin de la Rua de la Torre, quando o voo em que estavam a caminho de Nova York fez uma escala em Miami.

Somente um dos atores principais do filme, Daniel Arrechada, que também partiu de Cuba com destino a Nova York, conseguiu chegar ao festival. Ele compartilhou o prêmio de Melhor Ator com Florián.

Sem notícias

Após receber seu prêmio de US$ 2.500 (R$ 4.703), Arrechada disse a repórteres que estava "triste por meus amigos".

"Eu gostaria que eles estivessem aqui, seria possível estar feliz por eles, por Javier e por Analin e por todo mundo. É estranho, sinto falta deles".

A diretora do filme, Lucy Molloy, que faturou o prêmio de melhor direção, afirmou que "teria sido uma grande experiência para eles" ter recebido o prêmio. E acrescentou: "não tive notícias deles. Espero que eles estejam bem e com saúde". O filme também venceu na categoria Melhor Fotografia.

O Festival de Tribeca foi criado em 2002 pelo ator Robert De Niro e a produtora de cinema Jane Rosenthal para ajudar a comunidade do bairro nova-iorquino de Tribeca a se reerguer após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra as torres do World Trade Center, próximas à região.

O festival deste ano, que termina neste domingo, conta com 80 filmes de longa metragem, 80 curtas de 46 países.

http://cinema.terra.com.br/

A Dama de Ferro estava certa


Margaret Thatcher não estava errada! Sabe quantos países com governo socialista restam agora em toda a União Européia? Apenas 3.
       
1.Grécia,
       
2.Portugal,
       
3.Espanha.
       
Os 3 estão endividados até o pescoço, quase arrastando todo o bloco de países para a crise.
       
Por que será?


A esquerda não diz que o socialismo é a solução p/ o mundo?


Como bem disse Margaret Thatcher quando 1ª Ministra da Grã-Bretanha: "o socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros"
       
A frase abaixo foi dita no ano de 1931, por Adrian Rogers;


"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Para cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar para alguém aquilo que tira de outro alguém. Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.


É impossível multiplicar riqueza dividindo-a.”


Adrian Rogers, 1931


EM TEMPO:
       
QUANDO SE TIRA O DINHEIRO DA SAÚDE, DA EDUCAÇÃO E DA SEGURANÇA PÚBLICA PARA ESTÁDIOS DE FUTEBOL, CONCLUI-SE A INSANIDADE DO GOVERNO.

A Frase do Dia

" O bolo precisa crescer para ser repartido depois "
 
PresidentA Dilma plagiando uma velha máxima da ditadura (Delfim Netto) sobre distribuição de renda.

Preconceito Renitente

Girley Brazileiro

O Brasil cresceu rapidamente no passado recente, graças aos esforços desenvolvidos internamente e, ao mesmo tempo, aos avanços tecnológicos que se ofertam em nível mundial. As telecomunicações, os transportes aéreos, os avanços na área da saúde e da educação e, enfim, a globalização econômica foram fatores propulsores dessa transformação. Como resultante, nota-se, hoje, uma integração bem maior entre os brasileiros das diferentes regiões. Belém, Recife, Fortaleza, Salvador e Porto Alegre são metrópoles vibrantes pouco devendo aos tradicionais polos do Rio e São Paulo, guardando, é claro, as proporções de tamanho. Fico muito entusiasmado em testemunhar tudo isto.

Contudo, há coisas que você não consegue entender. Passei o fim de semana passado em São Paulo. Eu gosto muito daquela cidade. O movimento cultural, o comércio as opções gastronômicas, entre outros atrativos, fazem a minha cabeça. Morei algum tempo por lá e sei encontrar tudo que quero com facilidade. Sinto-me em casa. Mas, tem uma coisa que não consigo engolir dos paulistas, que é o preconceito que historicamente alimentam, em relação aos nordestinos. Eu pensava que o referido processo de integração podia diluir essa praga e, pelo visto, não acontece. Os paulistas adoram vir às praias do Nordeste e se refestelar nos luxuosos resortes e pratos típicos regionais. Dançam, comem e, se pudessem, não saiam das águas quentes dos mares nordestinos. Voltam com saudades. Tadinhos... Com razão, porque lá não tem nada igual ou parecido. Porém, contudo, todavia, via de regra, não conseguem abandonar as teias do preconceito. Só eles fazem tudo melhor, só eles são educados e somente eles podem dominar a cena nacional.

Não, eu não fui maltratado durante o fim de semana, quando da minha passagem pela cidade. Ao contrario, fui bem recebido por onde andei e passei bem com minha família. Minha revolta foi ao procurar – na Folha de São Paulo On line – noticias sobre o show de Paul McCartney no estádio do Arruda, no Recife, na noite anterior (sábado, 21.04.12) e dei de cara com uma reportagem lamentável, depondo contra a plateia e mesmo o ex-Beatle. O cidadão – editor assistente da Folha Ilustrada, de nome Rodrigo Levino – reduziu, com poucas palavras, o espetáculo como sendo uma coisa sem propósito, devido ao publico e o local. Afirmou que a plateia, na maior parte do tempo, se dividiu entre a apatia e a dispersão. Dessintonizada do artista, somente se ligando por três vezes durante a execução de algumas músicas clássicas do grupo britânico e, certamente, deslumbrados com a simultânea queima de fogos. Ou seja, reduziu os nordestinos a reles analfabetos culturais. Continuou dizendo que “...houve um descompasso visível que prejudicou o bom andamento do show”. E concluiu desafiando os recifenses a reaver o tempo perdido, no segundo show, realizado na noite do domingo. MacCartney fez duas apresentações no Recife, atraindo publico do Brasil inteiro, principalmente da Região Nordeste.

Aquela reportagem me deixou lamentando profundamente o insucesso que se registrava. Insatisfeito, acessei os jornais do Recife e encontrei outra forma de relato. Mesmo sendo jornais pernambucanos – que, por óbvias razões, poderiam incensar a promoção – cheguei à conclusão de que não foi bem aquilo lá divulgado pela Folha. Ao invés de apatia havia ocorrido uma sinergia coletiva, uma vibração sem tamanho e o cantor se mostrou, várias vezes, satisfeito com as reações do publico, de quase 60 mil pessoas. O editor da Folha diminuiu o publico para 40 mil. Fiquei sabendo que durante o show, McCartney ensaiou algumas palavras em português e fez tremer o Mundão do Arruda ao chamar o pernambucano de “povo arretado” e para terminar se despediu desfraldando a bela bandeira de Pernambuco (vide foto). Soube de nego que despencou no choro. Enfim, foi o maior sucesso.

Acho que a Folha de São Paulo, para ser honesta, devia ter posto uma manchete de capa noticiando o show do Recife – foi uma estreia nacional da turnê – como faz quando acontece em São Paulo. Mas, não! E sabe qual foi a capa da Folha impressa? A atriz Adriana Esteves (com foto imensa) elogiando o “bom” caráter da vilã que desempenha na novela da Globo. Tenha dó... Voltei ao site da Folha e fui ler as reações dos leitores. O tal do Levino – que está mais para leviano – editor assistente estava sendo descascado. Só não foi chamado de jornalista. Mas, foi chamado de tudo que não presta. Os depoimentos dos que assistiram ao show – pernambucanos e forasteiros, inclusive paulistas – são testemunhos do sucesso. Tenho prá mim, que uma coisa que pegou foi o fato de que McCartney teve que fazer duas apresentações no Recife, para atender a demanda do publico. Isto, até hoje, só se registra normalmente na Paulicéa tamporosa. É chato...

Agora, me digam mesmo, não é uma vergonha? Temos que lutar contra o preconceito escancarado e publicado, por quem faz a opinião publica nacional, porque sendo a Folha uma jornal lido no país inteiro, estamos roubados! Se esses dois shows fossem no Morumbi, a Folha teria pauta para uma semana. Mas, como foi no Nordeste, não se constituiu num acontecimento. Dá-lhe Recife! Abaixo os editores desonestos para com o povo brasileiro e o preconceito renitente.

Video Clipe do Dia

video

Se a moda pega por aqui... Nunca, jamais em tempo algum! Brasileiro não gosta do Rei, adora uma boa mordomia Real!

quinta-feira, abril 26, 2012

Anco - Lobo Mau


Praza aos céus que vosmicê esteja se recuperando. Você é forte e vai sair dessa. Além do mais é voz corrente que o nobre amigo ainda tem muito o que fazer nesta Terra Pindorama. Volta logo, rapaz que é pra ver se dá pra encenar novamente o Chapeuzinho Vermelho. Força meu caro. Estou, juntamente com amigos, torcendo por você. Hugo Caldas - Caçador!

O NAVIO QUE NÃO NAVEGA...

R$ 336 Milhões

Júlia Rodrigues

ISSO SEM FALAR QUE A SANSUNG SAIU DA SOCIEDADE DO ESTALEIRO, SEGUNDO CONSTA, POR DISCORDAR DA DECISÃO DE FLUTUAR O NAVIO PARA FOTOS DA CAMPANHA!E AÍ? O AGENTE FINANCEIRO E OS RESPONSÁVEIS PELA INSPEÇÃO TÉCNICA E PELA FISCALIZAÇÃO DO FINANCIAMENTO NÃO SE MANIFESTAM?

        
Em 7 de maio de 2010, ao lado da sucessora que escolhera e do governador pernambucano Eduardo Campos, o presidente Lula estrelou no Porto de Suape um comício convocado para festejar muito mais que o lançamento de um navio: primeiro a ser construído no país em 14 anos, o petroleiro João Cândido fora promovido a símbolo da ressurreição da indústria naval brasileira. Produzida pelo Estaleiro Atlântico Sul (EAS), incorporada ao Programa de Modernização e Expansão de Frota da Transpetro (Promef) e incluída no ranking das proezas históricas do PAC, a embarcação com 274 metros de comprimento e capacidade para carregar até um milhão de barris de petróleo havia consumido a bolada de R$ 336 milhões – o dobro do valor orçado no mercado internacional.

Destacavam-se na plateia operários enfeitados com adesivos que registravam sua participação no parto de mais uma façanha do Brasil Maravilha. Seria uma festa perfeita se o colosso batizado em homenagem ao marinheiro que liderou em 1910 a Revolta da Chibata não tivesse colidido com a pressa dos políticos e a incompetência dos técnicos. Assim que o comício terminou, o petroleiro foi recolhido ao estaleiro antes que afundasse ─ e nunca mais tentou flutuar na superfície do Atlântico.

O vistoso casco do João Cândido camuflava soldas defeituosas e tubulações que não se encaixavam, além de um rombo cujas dimensões prenunciavam o desastre iminente. Se permanecesse mais meia hora no mar, Lula seria transformado no primeiro presidente a inaugurar um naufrágio. Estacionado no litoral pernambucano desde o dia do nascimento, nem por isso o navio deixou de percorrer o país inteiro. Durante a campanha presidencial, transportado pela imaginação da candidata Dilma Rousseff, fez escala em todos os palanques e foi apresentado ao eleitorado como mais uma realização da supergerente que Lula inventou.

A assessoria de imprensa da Transpetro se limita a informar que não sabe quando o João Cândido vai navegar de verdade. O Estaleiro Atlântico Sul, criado com dinheiro dos pagadores de impostos, não tem nada a dizer. Nem sobre o petroleiro avariado nem sobre os outros 21 encomendados pelo governo. No fim de 2011, o EAS adiou pela terceira vez a entrega do navio. A Petrobras, que controla a Transpetro, alegou que os defeitos de fabricação só podem ser consertados no exterior. PODE??!!

Quando o presidente era Nilo Peçanha, João Cândido comandou uma rebelião que exigia a abolição dos castigos físicos impostos aos marinheiros. Passados 102 anos, Dilma e Lula resolveram castigá-lo moralmente com a associação de seu nome a outro espanto da Era da Mediocridade: depois do trem-bala invisível, o governo inventou o navio que não navega.


Publicado no Blog do Augusto Nunes, em 30 de março de 2012

Cogito, Ergo Sum!


"Deus existiu sempre? Que é sempre? Deus criou-se a si próprio para depois começar a criar o universo? Onde é que estava deus quando criou-se a si próprio? E como é que alguém se cria a si próprio? Do nada, passando do nada ao ser? Se o nada existiu, tudo que veio depois estava contido no nada. Mas se estava contido no nada, então o nada não existia." José Saramago

NR - Cuidado para não entronchar de vez o bestunto!

Tiro&Queda

 


Eduardo Almeida Reis
    

Esporte espetacular – As tevês estão refertas, o que significa dizer que estão cheias de esportes idiotas, com ênfase para o curling, o MMA e o rúgbi, aportuguesamento de rugby, team  sport in which players run with an oval ball, pass it laterally from hand to hand, and kick it.

Em matéria de esporte inteligente, nenhum se compara ao KFK, o KURO FU KO, que o terrorismo da moderna medicina, para variar, diz que mata em pouquíssimo tempo. É o tipo do esporte fantástico, porque você pode praticar sozinho, não envolve disputa, hostilidade, aquele negócio do tênis em que o sujeito procura jogar a bolinha na parte da quadra em que o outro jogador não está.

Famoso empresário mineiro ficou riquíssimo jogando tênis, justamente porque despacha a bolinha em condições de ser rebatida pelo outro “atleta”, por acaso comprador dos aparelhos produzidos pelo empresário. Vencendo a partida, o comprador, todo prosa, quintuplica as encomendas.

O KURO FU KO não dá ibope televisivo, motivo pelo qual nunca foi transmitido pelas emissoras que perdem horas com o curling, com o rúgbi e com a imbecilidade suprema do MMA. No país do BBB, KFK tem raríssimos adeptos, um dos quais é o philosopho que assina este belo suelto.

Pensei deixar o leitor curioso a respeito do KFK, mas seria maldade explicá-lo em nossa edição de amanhã. Portanto, aí vai: KO, com os pontinhos que não cabem no nome do esporte, é abreviatura de nocaute. FU são as duas primeiras letras de fundilhos, parte das calças ou dos bermudões que corresponde ao assento. KURO deve ser japonês pronunciando couro. Portanto, o esporte consiste em levar o assento a nocaute sobre o couro da bela poltrona da sala.

Revolta – Começo a quarta-feira lendo, como sempre, a crônica do Fernando Brant. Na Semana Santa encontrei-o de bermudão e chinelos, na última página do nosso caderno de Cultura, furioso com um templo, acho que evangélico, existente perto de sua casa. O dinâmico pastor tem alto-falantes que inviabilizam a existência dos que moram na Cachoeirinha, bairro pacato de BH, distante das estripulias goianas e brasilienses do empresário Carlinhos Cachoeira. Isso mesmo: o referido cidadão tem sido citado como “empresário do bicho”, qualificação que me parece deliciosa.

Careca e barbudo, o físico e escritor britânico Oliver Joseph Lodge (1851-1940), doutor em ciências no ano de 1887, foi parar no túmulo com a pecha de inventor do alto-falante. É aparelho de utilidade em raríssimos casos e de imbecilidade sonora na esmagadora maioria das ocasiões, fixo ou portátil, que tanto serve para os grevistas chatearem a humanidade com as suas reivindicações, como também serve para que muitas igrejas infernizem as vidas dos seus vizinhos.

Que fazer com um pastor que chateia Fernando Rocha Brant? Claro que sei e o leitor também sabe, mas não podemos dizer nem escrever porque seríamos processados, não pelo pastor, mas pela Justiça do Piscinão de Ramos. Pouco adiantaria Fernando mudar-se para outro bairro belo-horizontino, porque os templos abundam como abunda a pita, grande erva rosulada da família das agaváceas. Em favor da erva seja dito que abunda sem alto-falantes.

Sou mais ou menos vizinho do prédio mais feio da igreja católica em todo o planeta, mais feio ainda que a igreja projetada pelo Gaudí em Barcelona. Felizmente, não tem alto-falantes, o que não impede que a praça onde foi construída viva cheia de professores em greve e que numa praça próxima abundem eletricitários reivindicando supostos direitos através de alto-falantes.

Propaganda – O comercial radiofônico vai ao ar diversas vezes por dia: “Você oferece a ele o que há de melhor: a melhor alimentação, a melhor caminha...”. Nunca prestei atenção ao resto do comercial para não ficar saudoso dos meus casamentos. Pareceu-me claro, lógico e evidente que para oferecer a ele o que há de melhor, a locutora só podia pensar no marido, no deus do lar, que merece o que há de melhor, seja na alimentação, seja na caminha.

Mas, porém, todavia, contudo, dia desses ouvi o comercial até ao mais amargo fim. Sabem o leitor e a leitora quem é o “ele” da propaganda? Se não sabiam, fiquem sabendo: o cachorro, o cão/cidadão. Fiquei furioso.

O mundo é uma bola – 26 de abril de 1500: frei Henrique de Coimbra, OFM, celebra a primeira missa no Brasil. Em 1986, acidente nuclear em Chernobil. Em 2009, canonização de dom Nuno Álvares Pereira, nobre guerreiro português, que andou matando espanhóis a montões e a mancheias.

Em 1564, nascimento de William Shakespeare, isto é, uma das datas de seu nascimento. Parece que o Bardo nasceu uma porção de vezes.

Ruminanças – “Ditadura na Síria em guerra-civil: 10 mil mortes/ano; homicídios no Brasil democrático em 2008: 50.113. Pode?” (R. Manso Neto).

Video Clipe do DIa

video

... cuidado e desvelo "pelas coisas" do Menino Deus!

quarta-feira, abril 25, 2012

A mentira das sacolinhas "ecológicas"



Os supermercados diziam gastar R$ 200.000.000 (Duzentos Milhões) de Reais distribuindo “ De Graça”  7.000.000.000 (7 Bilhões) de  sacolinhas de plastico todo ano aos consumidores e que cada sacolinha tinha um custo em torno de R$  0,04 (4 Centavos) de Real.

A 1a. GRANDE MENTIRA:
Os 200 milhões já estavam embutidos nos custos do supermercado e eram pagos pelos clientes. Assim como é a luz, a limpeza e até o sorriso dos caixas.  Tudo pago por você, consumidor. Os grandes supermercados (Extra, Pão de Açúcar, Carrefour), numa compaixão inédita em favor do meio ambiente se uniram para exterminar o uso de sacolinhas de plástico que eram dadas aos clientes, tudo isso
pensando apenas no meio ambiente.

A 2a. GRANDE MENTIRA
Uma simples conta de matemática prova essa mentira. Ao invés de “DAR” as sacolinhas (venda disfarçada dentro dos outros produtos), os supermercados agora irão "VENDER" (diretamente) aos consumidores sacolinhas biodegradáveis (mais uma mentira que falaremos depois) ao custo de R$ 0,19 (Dezenove centavos) de Real cada uma, 5 vezes o valor da antiga sacolinha. É ai que entra a mágica:

7 Bilhões de Sacolinhas ao custo de 19 centavos cada vão gerar aos supermercados um ganho anual de R$ 1.330.000.000(UM BILHÃO E TREZENTOS E TRINTA MILHÕES ) DE REAIS POR ANO.  Mesmo que apenas METADE das pessoas que vão a supermercado comprem sacolinhas ainda serão R$ 665.000.000 (SEICENTOS E SESSENTA E CINCO MILHÕES) DE REAIS POR ANO, ou seja: 3 vezes mais do que ELES JÁ GANHAM ATUALMENTE.


Mas e as Sacolinhas Biodegradáveis?

Bem as sacolinhas são biodegradáveis apenas se elas forem corretamente processadas em usinas de compostagem.  Acontece que essas usinas NÃO EXISTEM, NÃO FORAM CONSTRUIDAS e talvez lá por 2014 a primeira comece a funcionar... E OLHE LÁ.

3a. GRANDE MENTIRA
Outra GRANDE MENTIRA que os supermercados usaram para Banir as sacolinhas de plástico foi a desculpa sem vergonha que durante as chuvas, essas sacolas entupiam as boca de lobo e provocavam enchentes. Por que ? Porque as pessoas usavam as sacolinhas para jogar lixo fora (Ué, isso não era conhecido como reciclagem ?).  Mas agora elas terão que comprar Sacos de lixo para esse fim, não é ?!  SÓ QUE ISSO É MELHOR AINDA PARA OS SUPERMERCADOS. Como?

Outra simples conta de matemática. Cada pessoa que reciclava as sacolinhas de plástico usa em media três por dia para condicionar o lixo (uma no banheiro, uma na cozinha e mais uma na pia da cozinha para resto de comida).  Pois bem.  Isso dá em media 90 sacolinhas por mês, usadas para jogar lixo fora (3x30=90). Os supermercados vendem o pacote vendem um pacote com 100 sacos de lixo em media por R$ 12 (Doze) Reais. Então durante um ano uma pessoa vai gastar 1080 sacos de lixo (12x90) e vai precisar comprar 11 pacotes de saco de lixo (11*100 = 1100) gastando R$ 132 (Cento e Trinta e dois) Reais. Preço razoável, certo !?
   
ERRADO!!!
    
Lembra dos 7 Bilhões de Sacolinhas que os Supermercados “davam” todo ano. Se eu divido esses 7 Bilhões por 100 eles serão equivalentes a 70.000.000 (SETENTA MILHÕES ) de Pacotes de sacos de lixo com 100 unidades cada.  70 Milhões de pacotes vezes os R$ 132 por ano que cada pessoa vai precisar pagar para jogar o lixo fora vão gerar um lucro aos Supermercados (que vão vender esses sacos de lixo) R$ 9.240.000.000 (NOVE BILHÕES E DUZENTOS E QUARENTA MILHOES) de Reais.

Ou seja:

Dane-se a sacolinha ecológica! Eles querem mesmo é que você compre sacos de lixo pois eles vão ganhar 7 vezes mais!

Lugarejo chamado Fucking quer mudar de nome


Povoado tem placas de boas vindas constantemente arrancadas por turistas

Os habitantes de uma cidadezinha na Áustria estão cansados de piadas, dos trotes diários e dos roubos das placas locais de sinalização. O motivo é o peculiar nome do povoado: Fucking.

Ainda que em alemão a palavra não tenha qualquer significado, salvo a memória de um nobre que viveu no século 6 chamado Focko, em inglês o termo desperta risadas e brincadeiras por ser sinônimo vulgar de ato sexual.

Desde que os soldados americanos e britânicos descobriram a pequena vila ao Norte de Salzburgo na II Guerra Mundial, turistas não param de chegar para tirar fotos no local.

Alguns chegam a arrancar as placas com o nome do povoado como souvenir ou, à noite, tiram fotos debaixo dos letreiros enquanto mantêm relações sexuais.

Para os Fuckingers, como são chamados os residentes, não há graça. De fato, estão promovendo a instalação de câmeras para dissuadir os amantes noturnos e uma consulta popular para trocar o nome do povoado.

Há seis anos os cerca de 100 habitantes disseram não à mudança de nome argumentando que Fucking tem uma larga e intensa história de mil anos. Mas agora estão pensando seriamente em mudar de Fucking para Fugging.

Desde de 1070 há referência a Fucking. Primeiro o local foi conhecido como Funcingin, logo Fukching e finalmente Fugkhing. Em 1760 o povoado passou a ter o nome atual.

"Os turistas alemães querem ver a casa de Mozart em Salzburgo. Italianos e russos gostam de celebrar o Ano Novo por aqui. Os japoneses, por sua vez, buscam a vila onde Hitler nasceu, Braunau. Mas no caso de muitos americanos e britânicos, ele buscam Fucking. É uma obsessão", afirma Andreas Behmüller, guia local.

Com a fama que o povoado ganhou, em uma só noite roubaram quatro letreiros que dão as boas vindas aos turistas, o que fez as autoridades ordenarem a construção de avisos de ferros e concreto fixados no chão. De acordo com a polícia local, estes avisos "requerem uma noite inteira para serem arrancados".

Josef Winkler, habitante de Fucking, tentou, em uma ocasião, montar uma banca de camisetas com a frase: "I love Fucking".

O negócio começou a crescer até que os vizinhos passaram a insultar Winkler nas ruas.

Também houve uma tentativa de se comercializar uma cerveja, Fucking Hell, mas a marca foi proibida pela autoridade que cuida de patentes na União Europeia, a OHMI.

Franz Meindl, prefeito da cidadezinha, prefere a tranquilidade para Fucking.

"Só queremos que os turistas nos deixem sozinhos e em paz. Estamos orgulhosos de Fucking", disse Meindl.

BBC - Brasil

O péssimo exemplo vem da Prefeitura do Recife

Pierre Lucena   

Que a cidade está abandonada não é segredo para ninguém. Basta dar uma andada pelas ruas que é possível obervar isso. Falo das ruas, porque falar em andar nas calçadas do Recife soa a piada.

De um lado camelôs e flanelinhas, que viraram donos das ruas. Do outro construtoras que mandam e desmandam na cidade, como se aqui fosse uma terra sem lei.

E dentre os partícipes dessa escumalha que virou Recife, o próprio Poder Público virou artista da algazarra.

No começo da Gestão de João da Costa, discutiu-se e aplicou-se a nova utilização de placas, retirando as que eram irregulares. O Prefeito mandou tirar placas que poluiam visualmente a cidade, o que fez muito bem.


O caso da Ponte do Pina era emblemático.


João da Costa foi lá e tirou todas as placas, e resolveu colocar a dele.

Passando em direção a Boa Viagem, ontem pela manhã, fui surpreendido por uma mega placa sendo colocada pela própria Prefeitura para se autopromover. Do carro mesmo resolvi tirar as fotos, que são uma verdadeira afronta ao bom-senso e à legalidade.

A Prefeitura passou de leniente com a ilegalidade para partícipe.

Parece pouco, mas é um grande passo em direção ao caos.

acertodecontas.blog.br

O Sermão da montanha

Senhor, por que me abandonastes?!

Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens. Tomando a palavra, disse-lhes:

- Em verdade, em verdade vos digo:
- Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
- Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
- Felizes os misericordiosos, porque eles...
Pedro o interrompeu:
- Mestre, vamos ter que saber isso de cor?
André perguntou:
- É pra copiar?
Filipe lamentou-se:
- Esqueci meu papiro!
Bartolomeu quis saber:
- Vai cair na prova?
João levantou a mão:
- Posso ir ao banheiro?
Judas Iscariotes resmungou:
- O que é que a gente vai ganhar com isso?
Judas Tadeu defendeu-se:
- Foi o outro Judas que perguntou!
Tomé questionou:
- Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?
Tiago Maior indagou:
- Vai valer nota?
Tiago Menor reclamou:
- Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.
Simão Zelote gritou, nervoso:
- Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto?
Mateus queixou-se:
- Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!
Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula?
- Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica?
- Quais são os objetivos gerais e específicos?
- Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?
Caifás emendou:
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas?
- E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais?
- Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?
Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final,
aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade.
- Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto.
- E vê lá se não vai reprovar alguém!
E, foi nesse momento que Jesus disse:
"Senhor, por que me abandonastes..."

Nem o Jota Cristo aguentaria ser professor nos dias de hoje.

Ruminanças

“Sem essa de Iguaçu, Araçá, Fumaça, Tabuleiro, Casca D’Anta, Itiquira, Véu de Noiva. No Brasil, em matéria de cachoeira, nada se compara ao Carlinhos” (R. Manso Neto).

Estou Velho

Repassando


Não gosto dos sem terra. Dizem que isto é ser reacionário, mas não gosto de vê-los invadindo fazendas, parando estradas, ocupando linhas de trens, quebrando repartições públicas, tentando parar o lento progresso do Brasil.

Estou velho.

Não acredito em cotas para negros e índios. Dizem que sou racista. Mas para mim racista é quem julga negros e índios incapazes de competir com os brancos em pé de igualdade. Eu acho que a cor da pele não pode servir de pretexto para discriminar, mas também não devia ser fonte para privilégios imerecidos provocando cenas ridículas de brancos querendo se passar por negros.

Estou velho.

Não sei se embrião tem vida ou não. Mas mesmo que tivesse, não teria o menor remorso em sacrificar vários (que certamente serão jogados no lixo) para salvar ou melhorar uma única vida de um jovem, de um preto, de um índio e até mesmo de um velho.

Estou muito velho.

Não quero ouvir mais notícias de pessoas morrendo de dengue. Tampo os ouvidos e fecho os olhos mas continuo a ouvir e ver. Não quero saber de crianças sendo arrastadas em carros por bandidos, ou de uma menininha jogada pela janela em plena flor da idade. Ou de meninos esquartejados pelos pais por serem ‘levados’… Meu coração não tem mais força para sentir emoções.

Estou mais velho que o Oscar Niemeyer.

Ele ainda acredita em comunismo, coisa que deixou de existir. Eu não acredito em nada. Estou cansado de quererem me culpar por não ser pobre, por ter casa, carros, e outros bens todos adquiridos com honestidade, por ser amado por minha mulher e filhos. Nada mais me comove…

Estou bem envelhecido.

E acabo de cometer mais um erro!

Ainda sou capaz de me comover e emocionar.

Na cidade de Joinville houve um concurso de redação na rede municipal de ensino. O título recomendado pela professora foi: ‘Dai pão a quem tem fome’.

Incrível, mas o primeiro lugar foi conquistado por uma menina de apenas 14 anos de idade. E ela se inspirou exatamente na letra de nosso Hino Nacional para redigir um texto, que demonstra que os brasileiros verde amarelos precisam perceber o verdadeiro sentido de patriotismo. Leiam o que escreveu essa jovem. É uma demonstração pura de amor à Pátria e uma lição a tantos brasileiros que já não sabem mais o que é este sentimento cívico. O patriotismo dessa jovem de Joinville usando a letra do hino nacional para mostrar o seu amor pelo Brasil me comoveu.

“Certa noite, ao entrar em minha sala de aula, vi num mapa-mundi, o nosso Brasil chorar: ‘O que houve, meu Brasil brasileiro?’ Perguntei-lhe!

E ele, espreguiçando-se em seu berço esplêndido, esparramado e verdejante sobre a América do Sul, respondeu chorando, com suas lágrimas amazônicas: ‘Estou sofrendo. Vejam o que estão fazendo comigo…

Antes, os meus bosques tinham mais flores e meus seios mais amores. Meu povo era heróico e os seus brados retumbantes. O sol da liberdade era mais fúlgido e brilhava no céu a todo instante. Onde anda a liberdade, onde estão os braços fortes?

Eu era a Pátria amada, idolatrada. Havia paz no futuro e glórias no passado. Nenhum filho meu fugia à luta. Eu era a terra adorada e dos filhos deste solo era a mãe gentil.

Eu era gigante pela própria natureza, que hoje devastam e queimam, sem nenhum homem de coragem que às margens plácidas de algum riachinho, tenha a coragem de gritar mais alto para libertar-me desses novos tiranos que ousam roubar o verde louro de minha flâmula.’

Eu, não suportando as chorosas queixas do Brasil, fui para o jardim. Era noite e pude ver a imagem do Cruzeiro que resplandece no lábaro que o nosso país ostenta estrelado. Pensei… ‘Conseguiremos salvar esse país sem braços fortes?’ Pensei mais… ‘Quem nos devolverá a grandeza que a Pátria nos traz?’ Voltei à sala, mas encontrei o mapa silencioso e mudo, como uma criança dormindo em seu berço esplêndido.”

Mesmo que ela seja a ultima brasileira patriota, valeu a pena viver para ler o seu texto. Por isso estou enviando para vocês.

Detesto correntes na Internet…mas agora que me tornei um velho emocionado, vou romper com este hábito.

De alguém que ama muito o Brasil…

Video Clipe do Dia



O Macaco Sempre Está Certo!

terça-feira, abril 24, 2012

A Bela Imagem do Dia


Mulheres e crianças primeiro...

PIZZAIOLO CARLINHOS CACHOEIRA

Por Jorge Serrão






Infelizmente acho que estamos vendo os ingredientes para a pizza gigante de 2012

1– A bela e jovem mulher do vice-Presidente da República, Michel Temer, pode ser a próxima vítima da onda de dossiês focados em triturar adversários, inimigos ou aliados nada confiáveis da máquina que aparelha o poder federal. Temer já teme que vazem na imprensa os elevados gastos mensais com compras feitas por sua discreta esposa. Os valores e bens adquiridos estariam acima da normalidade até para quem tem alto padrão consumista.

2 - Mais preocupado que Temer – e que também anda com relações de atrito
com a Presidenta Dilma Rousseff – é o Presidente do Senado. Tanto que José Sarney sentiu-se mal com informação de que seu filho Fernando seria um dos alvos preferenciais da fantástica fábrica de dossiês contra Carlinhos Cachoeira e seus aliados de lobby que tem na empreiteira Delta a principal base operacional-financeira. Sarney continua internado na UTI do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após ser submetido a um cateterismo e uma angioplastia com a colocação de stent.

3 - Embora negue antecipadamente, quem tem motivos para preocupações com
os vazamentos do “Delta do Cachoeira” é Sérgio Cabral Filho. O governador do Rio de Janeiro chegou a encenar, no final de semana, que nada tem a esconder de suas relações de amizade com o dono da Delta, Fernando Cavendish. Caso estoure uma bronca maior em dossiês, será nada fácil explicar como a Delta é sempre contemplada pelo Governo Cabral com milionárias obras sem concorrência. Desde 2002, a empresa tem contratos de R$ 450 milhões com o Estado do RJ. Agora, o maior temor é que algum problema com a Delta afete as obras de conclusão do Estádio do Maracanã para a Copa de 2014.

4 - Quem também está bastante enrolado com denúncias sobre o esquema é o
governador petista do Distrito Federal. Agnelo Queiroz teria intercedido em favor da construtora Delta, antes mesmo de tomar posse, pedindo a prorrogação de contratos.

5 - Quem ficou seriamente queimado, até agora, foi o senador Demóstenes Torres (ex-DEM), apanhado em comprometedoras ligações telefônicas com o “Clube” de Carlinhos Cachoeira. Mas a PF já tem informações de que pelo menos 15 senadores, direta ou indiretamente, fariam parte do esquema.

6 - Até o momento, só existe desconfiança – sem provas totalmente concretas – de que a Delta opere um esquema idêntico ao mensalão. A Polícia Federal desconfia dos recursos milionários repassados pela empreiteira a empresas com ligações diretas com o lobista-contraventor Carlinhos Cachoeira.

7 - Parte da grana teria sido usada para fazer doações e pagamentos ilegais a políticos. Desde 2003, a empreiteira recebeu R$ 3,6 bilhões em contratos com o
Governo Federal do PT. Só os R$ 862,4 milhões em recursos federais que encheram os cofres da empresa no ano passado pagaram obras em 20 Estados.

8 - O homem-bomba, apontado pela Polícia Federal como tesoureiro do esquema de Cachoeira, Geovani Pereira da Silva é o sujeito mais procurado do momento. Único foragido da Operação Monte Carlo, o contador de Cachoeira
seria o elo financeiro do “clube” com os políticos. Caso reapareça vivo, Geovani deverá receber o convite de uma delação premiada para explicar como o bicheiro Carlinhos Cachoeira usou duas empresas de fachada — a Brava Construções e a Alberto & Pantoja — para movimentar R$ 39 milhões, entre 2010 e 2011, liberando os mensalões para os parceiros.

Jorge Serrão é Editor-Chefe do ALERTA TOTAL

Informações de cocheira


Repassando
    
Sábado fui ao aniversário de 50 anos do Chico Otávio, repórter do Globo. Lá estavam, entre outros, o Rubens Valente, da Folha, outros “jornalistas investigativos”. Estava também o Wagner Montes, cuja  assessora de imprensa na Alerj é amiga do Chico.

Soube de informações interessantes:

1) Coisas mais graves do que as apuradas pela operação Monte Carlo (da PF, criada para investigar Demóstenes e Cachoeira) foram apuradas na operação Las Vegas, que trata de ligações do Cachoeira com a cúpula do Judiciário. Haveria material incriminando (em maior ou menor grau) nove ministros do STJ e quatro do STF. Só que o STF requisitou toda a documentação a respeito, determinando que a PF não ficasse com cópia, e sentou-se em cima da papelada. Isso era sabido não só pelo Chico Otávio (Globo) e pelo Rubens (Folha), mas (pasmem!) pelo Wagner Montes.
   
2) Como a área de atuação de Cachoeira é perto de Brasília e ele tem desenvoltura e poder de articulação, ele atua como representante de um pool nacional de contraventores que exploram bingos, caça-níqueis, video-poquer e afins. Não fala só por ele. Daí sua desenvoltura (e seu dinheiro).
   
3) Cachoeira é um arquivista compulsivo. Tem gravações telefônicas e em vídeo que comprometem todos os grandes partidos e inclusive gente graúda do governo federal. Tem um vídeo em que dá R$ 1,5 milhão a uma alta figura ligada à campanha da Dilma. O Globo e a Folha tem a informação, mas não sabem quem recebeu o dinheiro. E não têm provas.
   
4) O contador de Cachoeira, cuja foto está nos jornais, está em Miami, com cópia de tudo o que ele tem gravado. Se algo acontecer com o patrão, vem tudo à tona.
   
5) Cachoeira está chantageando o governo federal. Diz que não vai aceitar a prisão. Diante disso, o PT está pagando os honorários de Márcio Tomaz Bastos (R$ 16 milhões), que o defende e vai de jatinho à penitenciária de segurança máxima de Mossoró, onde Cachoeira está preso. Folha e Globo têm a informação de que é o PT quem paga Márcio, mas não a publicam por falta de provas.
   
6) Todo mundo está com medo de investigações sobre a Delta. Parece que ela – que contratou Dirceu como “consultor”, o que ele não nega – tem tido uma atuação muito mais agressiva do que as demais empreiteiras e cresceu de forma vertiginosa. Tem “negócios” com PT, PMDB, DEM, PSDB
   
7) Ninguém entendia muito vem por que Lula teria dado força à criação da CPI. Detonar Marconi Perillo parecia pouco para explicar uma CPI que pode abalar a república. Os jornais de hoje já dizem que o PT já pensa em recuar.
   
De qualquer forma, como se vê, a Cosa Nostra chegou aos trópicos.
   
PS. Cachoeira já foi transferido para brasília!

http://liciomaciel.wordpress.com

A Confissão

Quando eu era garoto, minha mãe me mandava à mercearia com apenas 2 cruzeiros e eu voltava com 3 kg de batatas, 1 kg de pão, 2 litros de leite, 1/2 kg de queijo, 1 caixa de chá e 1 dúzia de ovos. Hoje em dia não dá mais para fazer isso.  

"Encheram a mercearia de câmeras!"

A Frase do DIa

"Ai ai ai meu branco, quem não sabe se cobrir morre de frio.
"Marreteiro", filósofo paraibano!

Video Clipe do Dia



Equipe unida...

Você Não Sabia Mas Já Existe


Bicicleta com sapatos em vez de rodas para quem deseja caminhar e pedalar ao mesmo tempo. Opcional - um passômetro para contar as caminhadas.

segunda-feira, abril 23, 2012

A Tragédia do Judas Iscariotes

G 1 - O Globo

Morre o ator que fez o papel de Judas e se enforcou por acidente

Morreu na tarde deste domingo (22) o ator Tiago Klimeck, que sofreu enforcamento acidental há duas semanas. A informação foi confirmada pela Santa Casa de Itapeva (SP), onde ele estava internado em coma profundo. O estado de saúde era considerado gravíssimo.

Na Sexta-Feira Santa, 6 de abril, em Itararé (SP), durante a encenação da Paixão de Cristo, Tiago Klimeck representava o papel de Judas Iscariotes. Na peça, o ator deveria subir em uma pedra do cenário com uma corda colocada em volta do pescoço para, em seguida, simular o enforcamento do personagem, conforme relata a história bíblica. Nesta cena, Tiago sofreu o acidente que terminou por lhe tirar a vida. O jovem ator ficou aproximadamente quatro minutos desacordado até que alguém percebeu que ele estava realmente enforcado.


O sucesso abaixo aconteceu no início da década de setenta.

 Clênio Wanderley

Muito se falava no meio artístico do Recife sobre o desempenho de Clênio Wanderley no papel de Judas Iscariotes nos primórdios da Paixão de Cristo em Nova Jerusalem. Judas, o traidor que recebeu um mensalão de trinta moedas de prata, corroído pelo remorso resolve se enforcar. A cena do enforcamento na figueira, era então o ponto alto de Clênio, um misto de dentista e ator/diretor, irascível ao dirigir uma peça e um doce de pessoa na convivência diária, apesar de forçar uma cara de Mefistófeles nordestino. Eu mesmo fui dirigido por ele em uma peça de Ariano Suassuna, "O Auto de João da Cruz", uma das minhas últimas incursões pelo teatro da Paraíba.

Clênio adorava quando descobria na platéia amigos ou conhecidos seus porque aí então ele se esmerava na interpretação. Certa noite, um dos ganchos do colete onde ele prendia a corda para o enforcamento partiu-se, o laço saiu do prumo e o movimento brusco apertava-lhe cada vez mais o pescoço. Qualquer tentativa de se livrar e tomar o fôlego, a corda estreitava. Ele estrebuchava. O pessoal da técnica bem como o resto do elenco a tudo assistia, alguém até comentou:

- "Deve ter muita gente conhecida de Clênio assistindo porque ele hoje está se botando".

Foi quando se deram conta do que realmente estava acontecendo. Ouviu-se um grito: "corre que o homem está morrendo." Rapidamente apagaram as luzes e correram a acudir o Judas.

O pobre do Clênio quase morre enforcado mesmo.

Conselhos de um advogado


Utilidade Pública

É horrível ter que admitir já que moramos no melhor dos mundos. A paz e a tranqüilidade reinam absolutas. Confiamos no Governo que praza aos céus, nos garante a mais absoluta e irrestrita segurança. Não há ladrões no país. Mas, há sempre um mas, nunca se sabe. Se porventura, talvez até quem sabe, vai que o diabo esfrega o olho... Melhor prevenir! Preste atenção nos conselhos dados de graça por um advogado (sic) que fez circular a seguinte informação para os empregados de seu escritório:

    1. Não assine a parte de trás de seus cartões de crédito. Em vez disso, escreva 'SOLICITAR RG'.

    2. Ponha seu número de tele fone de trabalho em seus cheques em vez de seu telefone de casa..

    Se você tiver uma Caixa Postal de Correio use esta em vez de seu endereço residencial.
    Se você não tiver uma Caixa Postal, use seu endereço de trabalho.
    Ponha seu telefone celular ao invés do residencial.

    3.. Tire Xérox do conteúdo de sua carteira. Tire cópia de ambos os lados de todos os documentos, cartão de crédito, etc.
    Você saberá o que você tinha em sua carteira e todos os números de conta e números de telefone para chamar e cancelar.
    Mantenha a fotocópia em um lugar seguro.
    Também leve uma fotocópia de seu passaporte quando for viajar para o estrangeiro.
    Sabe-se de muitas estórias de horror de fraudes com nomes, CPF, RG, cartão de créditos, etc... roubados.

    Infelizmente, eu, um advogado, tenho conhecimento de primeira mão porque minha carteira foi roubada no último mês.
    Dentro de uma semana, os ladrões compraram um caro pacote de telefone celular, contrataram um cartão de crédito VISA,
    tiveram uma linha de crédito aprovada para comprar um computador, dirigiram com minha carteira....

    E MAIS.....

    4. Nós fomos informados que nós deveríamos cancelar nossos cartões de crédito imediatamente.
    Mas a chave é ter os números de telefone gratuitos e os números de cartões à mão, assim você sabe quem chamar.
    Mantenha estes onde você os possa achar com facilidade.

    5. Abra um Boletim Policial de Ocorrência (B.O.) imediatamente na jurisdição onde seus cartões de crédito, etc.,
    foram roubados. Isto prova aos credores que você tomou ações imediatas,
    e este é um primeiro passo para uma investigação (se houver uma).

    Mas aqui está o que é talvez mais importante que tudo:

    6. Chame imediatamente o SPC (11-3244-3030) e SERASA (11-33737272)e outros órgãos de crédito (se houver)
    para pedir que seja colocado um alerta de fraude em seu nome e número de CPF.
    Eu nunca tinha ouvido falar disto até que fui avisado por um banco que me chamou para confirmar sobre uma aplicação
    para empréstimo que havia sido feita pela Internet em meu nome.
    O alerta serve para que qualquer empresa que confira seu crédito saiba que sua informação foi roubada,
    e eles têm que contatar você por telefone antes que o crédito seja aprovado..

    Até que eu fosse aconselhado a fazer isto (quase duas semanas depois do roubo), todo o dano já havia sido feito.
    Há registros de todos os cheques usados para compras pelos ladrões, nenhum dos quais - eu soube - depois que eu coloquei o alerta.
    Desde então, nenhum dano adicional foi feito, e os ladrões jogaram fora minha carteira.
    Este fim de semana alguém a devolveu para mim.
    Esta ação parece ter feito eles desistirem.

    Passamos para frente muitas piadas pela Internet...
    Mas se você estiver disposto a passar esta informação, todo mundo sairá ganhando, inclusive você, pela satisfação de ter feito algo de bom pelo seu semelhante.
    
    


    

    
             

              






Video Clip do Dia

video

Altas Trepadas - Sem comentários!

domingo, abril 22, 2012

Pequena história do Descobrimento de Pindorama d' après Millôr Fernandes


Ao ensejo das comemorações deste dia 22 de abril que já não acontecem mais, conto-lhes uma história bem catita acontecida num dia como hoje uns quinhentos e doze anos atrás. Pois muito bem, nesta mesmíssima data, tarde modorrenta de escaldante verão, três meses depois do carnaval, o morubixaba da Tribo dos Paranacuiú-nã-nã, tomava um deforete à beira mar, recostado a uma enorme pedra, enquanto coçava uma frieira no dedo mindinho do pé esquerdo. Após traçar um peixinho assado na brasa, regado à uma boa cachacinha feita de mandioca fermentada, tomou o silvícola-mor o maior susto da sua vida. Teve, como num desvario fantasmagórico, sua atenção voltada para a frota de Cabral que desembarcava, bem alí na sua frente, homens, cavalos, munição, armas e víveres. Gente muito estranha aquela. Todos vestidos - roupa pesadíssima - dos pés à cabeça. Um fedor e uma loucura para o nosso clima tropical. O Chefe balançou a cabeça, estalou os lábios em sinal do mais profundo desagrado e melancolicamente comentou lá com seus botões, se botões ele os tivesse:

- "Isso não vai dar certo!”

Evidentemente não deu!

RECUERDO 22 - JOÃO PESSOA - ALGUMAS COISAS QUE GUARDEI...

Hugo Caldas

Este texto foi postado num tempo em que pareciam ressurgir as querelas Liberais e Perrepistas em solo paraibano. Na falta do que fazer cismaram de mudar o nome da cidade. Do Recife enviei o meu protesto. Acho que ajudei em alguma coisa, a cidade continua a usar a denominação antiga, João Pessoa. HC

Guy Joseph meu dileto primo, que me perdoe pelo uso da designação arranjada às pressas em 1930. Mas eu prefiro. Razões sentimentais. Também sou paraíba e não nego. Há porém, um sentimento que me perturba o coração e a mente desde que, nos idos de 1959 decidi vir morar no Recife, mercê a minha aprovação para trabalhar na Panair do Brasil - já lá se vãos os bons tempos em que fazíamos concurso para atuar na empresa privada. Não importa, porém, a quase perfeita integração. Aqui eu casei e tive filhos porém, tenho a mais perfeita noção de que serei um eterno forasteiro na Mauricéia. Por outro lado, todas as vezes que volto a João Pessoa, seja a passeio ou negócio sinto, apesar do carinho dos amigos que ainda moram lá, que não mais pertenço à Tribo dos Tabajaras. É angustiante.

Mas, o que fizeram da minha cidade?

O primeiro chute na cara é quando porventura tenho a desdita de passar pelo Ponto de Cem Réis. Quem teve a infeliz idéia, a audácia de transformar um lugar tão belo e aconchegante nesta coisa deprimente, emparedada? Cadê o bonde dando a curva em frente ao Parahíba Hotel? Cadê o relógio no centro da praça? Cadê a "Esquina do Pecado"? O que fizeram com o Café Alvear? A Sorveteria Florida? O Bar Havaí? O Cine Plaza?

Aqui vão umas poucas coisas, que eu guardei com o maior carinho, desde os meus sete anos de idade, a respeito desta mui amada cidade que à época parecia querer extrapolar os muros da casa de número 47, da Rua Capitão José Pessoa, residência do meu avô, em Jaguaribe, onde ele abrigava sua família, suas filhas e eu, então seu único neto.

- Oswaldo Pessoa, era o prefeito da cidade e morava perto da nossa casa. Família numerosa, várias filhas e Candinho, seu único filho, e um dos meus herois, juntamente com o Super-Homem e o Capitão Marvel, mas na verdade um malandrão de quatro costados. Certa vez ouvi Candinho numa conversa, dizer que lavava as mãos antes de ir dormir. Achei aquilo surpreendente, não sei bem porque.

Em frente morava Lourdinha Flôres sua namorada, em um sobradinho meio sombrio, que mais tarde seria a morada de Dr. Napoleão Laureano. Depois foi residência de uma tia minha que afirmava por todos os anjos do céu e os diabos dos infernos, ter visto almas penadas passeando pelos corredores e salas escuras do sobrado.

Certo dia correu na rua um boato, dando conta que Candinho, praticamente noivo de Lourdinha Flôres, havia avançado o sinal e comido a merenda antes da hora do lanche. Pode-se bem imaginar o tipo de falatório, a mofa, o disse-me-disse, sobre semelhante acontecimento contra os bons costumes e as regras do bem viver em plena década de 40. Como um chiste, o seguinte diálogo apareceu na boca do povo:

- Candinho, você quer casar com Lourdinha Flôres?
- Não senhor, meu pai.
- Mas sabe que vai casar com Lourdinha Flôres?
- Sei sim senhor, meu pai.

Casaram. É bem verdade que o casamento não durou muito tempo, mas...enquanto isso assumo devem ter sido felizes. Lourdinha Flôres era uma moça muito bonita.

- Nas quarteladas da vida e em qualquer tumulto da direita, o Dr. Santa Cruz era sempre o primeiro a ser preso. Lembrava o filme Casablanca, quando o Capitão Renault, (Claude Rains) vira-se para o ajudante e diz: "Prenda os suspeitos de sempre". Em pleno abril de 64, "revolução" em marcha acelerada, feito serpente recém-saída do ovo, pediu o Dr. Santa Cruz que sua esposa lhe preparasse uma valise com algumas roupas, sabonete, pasta de dentes, escova, estojo de barba etc, mais alguns remédios e postou-se no terraço à espera do inexorável camburão do exército. Dito e feito. Não deu meia hora apareceu um tenente recém-saído das fraldas (havia sido seu aluno na faculdade de Direito) com um aparato militar de fazer corar um senador da república.

"Mas tenente, era preciso mesmo essa parafernália toda apenas para prender um velho professor? Bastava ter dado um telefonema que eu iria. Não carecia de o senhor se preocupar..."

- Por onde anda Fernando Macedo? Ele juntamente com Breno Mattos, eram os "comunistas" mais manjados da cidade. Fernando, nos shows produzidos pelo Teatro de Estudantes, vestia uma roupa colada ao corpo, camisa aberta ao peito, mangas frufru, ao mesmo tempo em que empunhava duas maracas nas danças cubanas, num requebrado pra lá de sensual. Breno era chegado a fumar cigarros americanos bebia uísque e dançava rock and roll, dá pra acreditar? Certa vez, Lindaura Pedrosa encenou "O Boi e o Burro a caminho de Belém", um auto de natal de Maria Clara Machado, e convidou Fernando para o papel de um dos pastores. Eu fazia um dos Reis Magos. Estávamos sempre perto um do outro. Durante a encenação, ao ar livre, no adro da Catedral, Fernando devidamente trajado como pastor, saiote de estopa, pequeno carneiro nos braços, cordas enrodilhadas nas pernas à guisa de sandálias, sentiu que alguém alisava as suas coxas. Foi o maior tumulto. Gritaria, empurra-empurra e de repente o canto mais limpo. O "pastor" deixa a cena, correndo atrás de um sujeito baixinho com cara de tarado. Debalde. O nefando indivíduo perdeu-se no meio da multidão e Fernando ainda foi devidamente admoestado por uma Lindaura furiosa, pelo absoluto desrespeito ao Auto de Natal, aos princípios cristãos e à tradição teatral.

- Os doidos da minha terra. Pombú do Pé Roxo, Cristóvão Pé no freio, Oscar Aragão, Pão de Bico, Ariranha, Imbuzeiro, Daniel, Dr. Mario, Mocidade, uma plêiade. Havia categorias:

- Doidos políticos: Mocidade, Dr. Mario e especialmente Daniel, contínuo da Secretaria da Fazenda que irrompia o sagrado recinto dos bares aos gritos de "forca com eles, casacudos e venais da república", e malucos pela própria natureza como: Pão de Bico e Ariranha, que ao ouvir o grito "amostra Ariranha", levantava saia e mostrava as partes ditas pudendas. Certa vez Pão de Bico, católico/carola até a medula, vinha todo compenetrado, acompanhando uma procissão, com o seu passinho característico na ponta dos pés, rezando e cantando, missal em uma mão, terço na outra, fita vermelha com medalha de São Severino pendurada no pescoço...

"o meu coração é só de Jesus
A minha alegria
(alguém grita - "Pão de Bico," ele emenda, no ritmo e no tom)
é o cu da mãe"

A última lembrança que guardo de Mocidade: íamos os dois descendo no bonde do comércio quando ao final da viagem ele foi reclamar do cobrador o troco ainda não recebido... "Chega de roubalheira nesta República"!

Imbuzeiro, alto, moreno carapinha branca, olhos desencontrados, eternamente babando, ia à pé, diariamente numa passada característica, de Jaguaribe até o velho Ponto de Cem Réis com uma geringonça de madeira e papel às costas, que amarrava em um poste elétrico fazendo as vezes de cartaz do filme em exibição à noite no Cine Jaguaribe. Pombú e Cristóvão eram exímios no uso das mais variadas palavras de baixo calão, que berravam aos quatro cantos, onde quer que estivessem e ouvissem a menção dos seus respectivos apelidos. Oscar Aragão era uma mansidão de cordeiro. Ia sempre à missa na Catedral ocasião em que ajoelhado, soltava uma série de "puns" desagradáveis e sonoros. Não tinha um dente na boca e cantava o Hino Nacional todas as vezes que algum jovem mais, digamos desumano o chamava de comunista. Uma pândega. E uma crueldade, por suposto. Esta a João Pessoa que gostaria de rever. Esta a João Pessoa que ainda me faz muita falta. Reafirmo: "Sou Paraíba e não nego".