sábado, junho 01, 2013

Os 5 Generais Presidentes

Carlos Chagas

"Erros foram praticados durante o regime militar, eram tempos difíceis. Claro que, no reverso da medalha, foi promovida ampla modernização das nossas estruturas materiais. Fica para o historiador do futuro emitir a sentença para aqueles tempos bicudos. Mas uma evidência salta aos olhos: a honestidade pessoal de cada um!"
 

Quando Castelo Branco morreu num desastre de avião, verificaram os herdeiros que seu patrimônio limitava-se a um apartamento em Ipanema e umas poucas ações de empresas públicas e privadas.

Costa e Silva, acometido por um derrame cerebral, recebeu de favor o privilégio de permanecer até o desenlace no palácio das Laranjeiras, deixando para a viúva a pensão de marechal e um apartamento em construção, em Copacabana.

Garrastazu Médici dispunha,como herança de família, de uma fazenda de gado em Bagé, mas quando adoeceu precisou ser tratado no Hospital da Aeronáutica, no Galeão.

Ernesto Geisel, antes de assumir a presidência da República, comprou o Sítio dos Cinamonos, em Teresópolis, que a filha vendeu para poder manter-se no apartamento de três quartos e sala, no Rio.

João Figueiredo, depois de deixar o poder, não aguentou as despesas do Sítio do Dragão, em Petrópolis, vendendo primeiro os cavalos e depois a propriedade. Sua viúva, recentemente falecida, deixou um apartamento em São Conrado que os filhos agora colocaram à venda, ao que parece em estado delamentável conservação. Foi operado no Hospital dos Servidores do Estado, no Rio.

Nenhum deles mandou fazer um filme pseudo biográfico, pago com dinheiro público, de auto-exaltação e culto à própria personalidade!

Nenhum deles usou dinheiro público para fazer um parque homenageando a própria mãe.

Nenhum deles usou o hospital Sírio e Libanês.

Nenhum deles comprou avião de luxo no exterior.

Nenhum deles enviou nosso dinheiro para "ajudar" outro país.

Nenhum deles saiu de Brasília, ao fim do mandato, com 11 caminhões lotados de toda espécie de móveis e objetos roubados.

Nenhum deles exaltou a ignorância.

Nenhum deles falava errado.

Nenhum deles apareceu embriagado em público.

Nenhum deles se mijou em público.

Nenhum deles passou a apoiar notórios desonestos depois de tê-los chamado de ladrões.


Recebi e repasso: Forçoso é reconhecer... HC

2 comentários:

Delmar Fontoura disse...

Meu caro Carlos Chagas!

Eis o que penso sobre esssa "Mistificação para Mitificar Verdades e Mentiras"...

O que está por trás dessa página de nossa história política?...

Infelizmente o “Regime de Exceção Militar de 1964” ainda comemorará seu centenário sem que venhamos dar luz ao que esteve por trás dessa triste página de nossa história, pois os Neolulopetistas não permitem que essas “feridas” cicatrizem; que paire verdade sobre as verdades e mentiras e muito menos querem dar clareza ao contexto de suas causas e consequências... Só estimulam o extremismo de paixões e sentimentos de revanchismo, pela “derrota” ou pela “conquista” que não houve... ...pois sabemos que só houve perdas...

Por que não buscam respostas para as seguintes indagações:

- Em nome do que os militares tomaram o poder em 64?
- Se foram tão maus, como afirmam, o foram por quê?
- Por que só bem mais tarde surgiram as torturas?
- Por que só editaram o AI - 5 em 13 de dezembro de l968?
- Por que a história do Regime Militar registra a existência da “linha Dura”?
- A existência da “linha Dura” não é o contraponto de “outra linha”?
- Quem se insurgiu contra quem nessa “obliteração”?
- Existia ou não a “razão” que os Militares alegavam para o Novo Regime?

- Comparados aos “supostos agentes do mal”, contra os quais afirmam terem se insurgido, quem cometeu mais erros de gestão ou roubou mais dos Cofres Públicos?

- Se têm notícia de que algum militar, presidente ou não, tenha aumentado seu patrimônio desproporcionalmente ao seu “Soldo” durante os 24 anos que estiveram no poder?

- E Lula, Dilma, Dirceu, Palocci, Sarney, Collor, Renan e outros tantos, ditos exemplos de dignidade e ética ilibada, em oito anos, quanto aumentaram seus patrimônios?

E não me venham com a “estória das torturas”, que, embora descabidas e injustificáveis, que eu, também, não aceitei e estive contra, ocorreram em tempos de exceção em contrapartida ao “Terrorismo” de então, pois eu argumentarei indagando: em nome do que, uma (1) e somente uma tortura, a de Celso Daniel, praticada em tempo de “paz”, foi tão covarde e cruel comparada àquelas que alegam terem sido praticadas, pelos militares, em tempos de exceção... ...as quais não nego que existiram e condeno veementemente!

Que senso de justiça é esse através do qual querem punir “aqueles” e isentarem “esses”?

Se “aqueles” maus, há um tempo, ensarilharam suas armas nos quartéis,
Por que “estes” justos, hoje, não ensarilham seus espíritos nos cordéis?

Por que o personalismo maniqueísta de um lado enuncia “heróis e vilões” quando sabemos que não houve... ...colocam a realidade na nebulosidade da dúvida ao continuarem avivando essas “feridas” e negando a verdade sobre as verdades e mentiras, que se confundem na covardia do anonimato de amos os lados, mas por quê? Eu respondo! Porque, nesse caso, nem as supostas “verdades e mentiras são nobres”, pois, entre elas, existem falsos sentimentos tanto de júbilo quanto de dor, “rescaldo” de uma batalha entre irmãos da qual não resultaram vencedores, muito menos vencidos, mas que já está gravada como uma mácula em nossa história “embaçando a memória dos verdadeiros injustiçados”...

Ora gente! Chega de mistificação com essa tentativa de mitificar verdades e mentiras de nossa história, que ainda estão vivas em nossa memória...


Delmar Fontoura






Carlos Cordeiro disse...

Hugão, esse artigo do Carlos Chagas é muito bom. TODOS os "presidentes" pós ditadura foram ladrões - Sarney e Collor são hors concours, a mulatinha FHC preferiu torrar o patrimônio público e receber em euros na Suíça, Lulinha tá podre de rico e Dilminha vai que vai. IO púnico que não meteu a mão e saiu como entrou, e que foi o verdadeiro autor do Plano Real, o Itamar Franco, esse já ninguém lembra dele. O brasileiro gosta mesmo é de cachaça e safadeza.
Carlos